Tags

, , , , , ,

Este país não é para velhos é o título de um filme americano realizado pelos irmãos Cohen, mas, definitivamente, é um título que não encaixa bem neste país! Antes de mais gostava de esclarecer que as palavras que vou escrever não têm qualquer tipo de conotação negativa ou preconceituosa, são pelo contrário, de admiração e de alguma esperança.

Com grande facilidade encontro old people a trabalhar como agentes imobiliários, caixas de supermercado, médicos, lojistas ou mesmo em serviços de atendimento. O mais interessante é que a maioria destas pessoas não apresenta ar de aborrecimento ou cansaço, não trata mal o cliente e a simpatia com que atendem é desarmante. Sei que a idade da reforma é aos 65 anos, mas muitos trabalham para além dela. Não sei se a maioria destas pessoas precisa realmente de trabalhar até esta idade, mas o mais curioso é perceber que se o quiserem fazer ninguém lhes fecha a porta. Aqui não é a idade, raça ou até alguma deficiência física que impede uma pessoa de trabalhar, seja por necessidade ou porque simplesmente deseja manter-se ativo.

Nos supermercados, encontro jovens com síndrome de Down a dar apoio nas compras junto às caixas registadoras; na televisão vejo programas cujos apresentadores são todos seniores (mais seniores que o Manuel Luis Goucha, atenção!), senhoras que aconselham nas lojas de decoração e um senhor que atende no Starbucks que enverga um avental a dizer “veteran”, estes são alguns dos exemplos com que me deparei. Na realidade é exatamente isso que são, veteranos, alguns de guerra outros em experiência.

Actualmente, a taxa de desemprego nos Estados Unidos é de 5% e o país nunca foi tão rico (Produto interno bruto é de $18 triliões). Ainda assim, numa votação recente, 54% dos americanos dizem que “the nation’s economy is poor”. Não vou aqui discutir estes valores da economia americana porque não tenho sequer argumentos nem capacidade para o fazer, mas o que me apetece dizer é: esta malta (dos 54%) devia bater com os costados num certo país da Europa para ver o que é uma economia realmente poor, sem governo, um presidente com claras evidencias de senilidade e a cherry on the cake são os 12,2% (??) da taxa de desemprego.

Quando me apercebo desta realidade, tenho esperança de ver um dia em Portugal a integração de pessoas no ambiente laboral, que não vão ser excluídas pela sua idade ou alguma incapacidade física, que a taxa de desemprego desça para os 5%, que os meninos e meninas no parlamento deixem de fazer birras e façam alguma coisa pelo país e que se eleja outro presidente. Quanto ao povo pode ficar igual, porque estes americanos são como os portugueses, nunca estão satisfeitos com nada!

FullSizeRender-3

November 11th – Veterans Day

Advertisements